quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Galpão

Xeeeente, nunca tomei tanto banho na minha vida! O negócio tá feio... É calor demais!!! A dona da belasca que me abriga anda sofrendo com esse verãozão, e não só com ele...
A semana anda esquisita. De um lado, um aperto, sentimento de fracasso. Do outro, uma euforia que a faz querer gritar aos quatro cantos do mundo. De repente muitas coisas aconteceram. O reencontro fez voltar a tona sentimentos que ela pensava estar apagados, mas estavam apenas escondidos, deixados de lado por uma tolice, brincadeira de criança. De repente tudo é perfeito, e ainda parece mentira. Mentira porque o sentimento não se define; não é amor, não é paixão, não é um simples gostar. É um querer que não deixa se soltar num abraço, que quer parar o tempo num beijo, e fazê-lo voar com a distância.
Cada momento é revivido aos fechar os olhos... Ela, nua, debruçada na janela do galpão olhando a chuva que caía sutilmente nos telhados, enquanto ele, da cama, admirava suas curvas e como as sombras da noite as acentuavam, formando deliciosos contornos. Aquele único cômodo era tão pequeno em si, mas tão grande para ela! Um cantinho que foi cúmplice de um sentimento indefinível, de momentos agradáveis, divertidos, loucos, sexuais, gulosos... e perfeitos... cada um deles... Celular, garça, mendigo, caqui, chuva, acupuntura, pizza, pufes. Palavras que ecoam no coração, com um nó na garganta prestes a explodir num pedido rouco, quase inaudível... "não me deixa nunca!"...

2 comentários:

Paulinha disse...

essa piolha qqr hora frita de tanto a dona da beslaca pensar!!
bela escolha de palavras...
piolha cult!

Carolina disse...

Cada vez melhor hein..
bjooos!!!!