quinta-feira, 25 de junho de 2009

Gabriel

Eu estava sentada ali, alheia ao mundo, quando um anjo pousou próximo a mim. Ao redor dele havia uma luz forte, que me cegou por alguns instantes, não permitindo que eu visse sua silhueta. Com medo me afastei, e ele partiu deixando um rastro que eu não quis enxergar. O tempo passou, e eu resolvi voltar ao lugar onde tinha visto aquela luz, curiosa para saber se foi real, e se foi, talvez perder o medo dela. Algo dizia que eu deveria me reaproximar.
Chegando lá me sentei e esperei, igualmente distraída. E de repente ele veio, igualmente iluminado. E mais uma vez sua luz me cegou, só que dessa vez foi diferente, não me assustei. Vagarosamente fui me aproximando, e meus olhos foram se acostumando. Quando consegui enxergá-lo, senti um furacão passar e abalar cada fibra do meu corpo. Mais próxima ainda, senti seu perfume, e não há outro que eu queira sentir desde então.
Ele me estendeu sua mão, e me convidou para uma dança. Ao abraça-lo, fechei os olhos e me senti misturando a ele e àquela luz que de assustadora se tornou minha essência. Meus pés saíram do chão. E ao abrir os olhos percebi que estava num lugar diferente, de onde não saí até hoje. O paraiso...

Um comentário:

Paulinha disse...

essa piolha anda tomando scabin na rave, mano...