quarta-feira, 25 de março de 2009

Dança comigo?

Uma mão se estende em sua direção, ela não ve o resto do corpo que se aproxima. Aceita o convite e caminha para o espaço onde outros casais já dançam. Enquanto uma mão segura a sua, a outra envolve sua cintura, leve, sutil. Ela encosta seu rosto no dele, e o perfume que entra por suas narinas invade e provoca todos os seus sentidos. Os pelos se arrepiam. Um toque é dado para que a dança inicie. Seus pés deslizam conforme o comando do rapaz, ele a solta e ela gira, e na volta seus olhos se cruzam. Borboletas, milhares de borboletas se debatem no seu estomago. Ele a segura com mais força, sentindo cada fibra daquela cintura esguia, e ela arriscaria dizer que sentia as batidas do coração dele em seu peito. Os pés não tocam mais o chão, ela se entrega totalmente à música e àquelas mãos fortes que a dominam e comandam cada movimento do seu corpo. A cada passo a afinidade aumenta, eles se tornam um só. Os movimentos se tornam mais fortes, seus corpos parecem querer entrar um no outro. A pele de quem a conduz é macia como uma pétala, e a excitação cresce. Para ela a dança é como o sexo. Jogada no braços dele, todos os seus músculos se contraem, o orgasmo é iminente. O último acorde...