segunda-feira, 21 de setembro de 2009

GRRRRRRAAAAAULRRRR

Hoje eu to com raiva! Socando o teclado! Querendo chutar a cabeça de alguém! Pode ser a sua?
Prometo que a dor vai ser rápida.
Por que a merda nunca vem sozinha? Sempre aparece acompanhada de peidos, daqueles que impregnam o ambiente e a cabeça da gente, e sempre tem uma porra de uma casca de milho que arranha o cu quando sai!
To com dor de cabeça e meu chefe fica dando chilique ( ele vai ler isso...). To de TPM e tem uma porra de uma cliente me caroçando. To carente e ele ta longe!!!
No momento devoro uma maçã com a fúria de um leão com uma gazela entre os dentes... Quem será minha gazela?...
E enquanto a maça não acaba, vou contar uma história triste.
Sou estudante de psicologia. Ontem iniciaram meus experimentos científicos no laboratório. Com ratos. Ratos que ficam 36h privados de água, para depois entrarem numa porra duma caixa com uma alavanca. Nós, alunos, temos que ensinar ao pobre animal que ele tem que apertar essa alavanca para que a água seja liberada. UMA GOTA. Uma mísera gota de água. Eu gosto de ratos, gosto MUITO de ratos, tenho dois em casa. Durante a explicação do manuseio da caixa, a professora solta que após o término do semestre, esses ratos serão sacrificados. A-DO-REI! Quase saí da minha baia e fui chutar o pé da cadeira que a professora estava em cima.
Minha cabeça continua doendo... e a minha maçã acabou, devorei minha gazela. Por falar em devorar... Reparei que a minha mãe anda enchendo muito minha marmita ultimamente... Tenho certeza que ela está medindo a grossura do meu dedo enquanto eu durmo.
Vou voltar ao trabalho, porque, além de tudo, não tenho mais horário de almoço.

Bora!

Uma amiga apresenta dois amigos queridos. Sem pretensão alguma. Sem pretensão de que eles continuassem sozinhos, claro. E bora adicionar no msn. Ela meio perdida, com o pé atrás, ele tentando não criar expectativas. Assim se passa uma semana, conversando, rindo, trocando idéias e a falta delas. Eles trocam telefone. Começam as mensagens, e algo desperta. Eles querem se conhecer, mas isso só a amiga em comum sabe. Com medo de assustar ela procura ser natural, mas sem mostrar interesse demais. Ele, idem. E chega a intimação via sms: "bora se conhecer!". Ops! E agora? É agora!
E não teve chuva, frio, ressaca ou cólica que a segurou. Shopping, chá, pão de queijo, bolo, papo sobre psicologia, cinema, chocolate e um beijo. E o cinema sumiu, o shopping sumiu, o ar sumiu. Só ficou um pensamento intermitente: quero mais.